Adestrando a filha – parte 1

Adestrando a filha – parte 1:

Sado + incesto

– Clarinha, esse é o médico. Alberto.
O pai de Clarinya, Jovenal, diz:
– Olá doutor. Aberto, como você está?
– Foi bom conhecê-lo.
Ele colocou a mão na calça do terno que usava e acariciou-a, dizendo: “Meu pau estava duro”. E sorria e olhe para ela.
Clarinya abaixou a cabeça e olhou para o chão. Eles estão na sala da casa. pergunta o Dr. Seu Jovenal. Quando Alberto está sentado no sofá, ele se senta e puxa Clarinha para sentar entre suas pernas, as coxas cobertas por um vestido que chega até os joelhos. – Não está calor, florzinha? O vestido parece muito quente.
Quando ela estava prestes a responder, seu pai respondeu.
– Sim, Clarinha… está muito calor… Ele a puxou para cima e abriu o zíper do vestido por trás, fazendo com que ele caísse de seu corpo, deixando-a apenas de calcinha. Dr. Alberto a coloca de costas sobre suas coxas e a puxa para mais perto dele, segurando sua barriga e costas. Ele observa de perto seus seios firmes com seus mamilos rosados… Ele pega as mãos dela e segura uma delas com firmeza, dizendo:

– Muito maduro e pronto para fumar.
Seu pai sorriu e disse-lhe para tentar… Dr. Alberto coloca na boca, chupa um bico, amassa o outro, chupa o bico e depois engole o saco, chupa depois troca de bico, continua chupando…às vezes com força, depois devagar e. . Seu Jovenal, sentado em outro sofá, observa com um sorriso o médico trabalhar. Ele cuida da casa da fazenda, onde mora com a filha Clarinha. Pela primeira vez, conheceu o chefe em uma pequena casa na fazenda atrás da propriedade.
Dr. Alberto coloca Clarinha de joelhos, pressiona a vagina dela sobre a calcinha e lubrifica o centro… Enquanto chupa os seios dela, ele abaixa a calcinha até os joelhos e pressiona os lábios da buceta dela. Eu puxo para o lado e olho para ela. Quando olho para ela por dentro, vejo que sua bucetinha está toda rosada, e a grelha está um pouco vermelha… Ele encontra uma marca na bunda dela, coloca a mão sobre ela e pergunta o que é. O senhor Jovenal se levantou e tirou um chicote de trás da porta e mostrou para ele…
– Estou treinando Clarinha.
– Ela gosta de treinar?
– Sim eu gosto…
Ele responde ao Dr. Alberto ficou mais forte. Ela pediu para treinar a Clarinha, e o senhor Jovenal aceitou imediatamente… ele mandou ela ficar de quatro no chão e abrir as pernas, depois mandou ela tirar a calcinha, e o senhor Juvenal deu um travesseiro para ela calar dela. Gritar. .
Dr. Alberto pegou o chicote e começou a chicoteá-la entre as pernas, bem na bucetinha. A cada tapa ela conseguia se levantar um pouquinho, mordendo o travesseiro, os olhos ficando molhados…Dra. Alberto deu alguns tapas na bunda dela e depois deu um tapa na buceta dela novamente. Ele não aguentava mais o pau duro, então parou e começou a acariciar sua bunda coberta de vergões e a passar os dedos por cima dela.

Dr. Alberto tira a calça e a cueca, abre a camisa de botão, se ajoelha entre as pernas dela, seu pau está muito molhado, ele enfia o pau no cuzinho de Clarinha e a penetra com força, ela gemeu e pressionou a boca contra seu cuzinho. Ele bateu com força no travesseiro e as dobras da bunda dela se rasgaram, mas ele não se importou, segurou-a pela cintura e puxou-a com força contra o poste…ele ejaculou bem lá no fundo., socou-o sem parar até lhe sobrar o reto cheio de esperma quente. Ele saiu feliz, pediu para ir ao banheiro e foi se limpar. Ao retornar, já vestido, vê Juvenal também fazendo sexo anal com Clarinha, mas coloca um cinto no pescoço dela e aperta, puxando-a para trás como se a sufocasse. Enquanto isso, ela está constantemente enfiando na bunda. Clarinya abre a boca. Procurando ar… Sua bucetinha está molhada, seu clitóris está pulsando, e ela goza quando seu pai goza, ejaculando forte e espalhando um pouco de esperma na beirada de seu cuzinho quebrado. Saia e retire o cinto do pescoço. Ela se ajoelha.
Ele ajeitou as calças e olhou para o Doutor. Alberto, vendo isso, diz:

– Clarinya tem sorte de ter um pai como você.
Despediram-se e ele foi até a casa principal da fazenda onde estavam sua esposa e filha, onde viera passar algumas semanas.
Clarinya vai ao banheiro se lavar, mas sua bunda queima tanto que o sêmen vaza… Os vergões também queimam… mas ela se acostumou… ela até gosta de apanhar do pai…
Ele acorda de manhã e faz as tarefas domésticas, mas seu pai já está ocupado.
Ela voltou na hora do almoço, comeu a comida que minha filha preparou, elogiou-a e, quando perguntei se a bunda dela doía, ela disse: “Não, não está latejando no meu ânus”. À noite, foram novamente visitados pelo médico. Alberto, o Sr. Jovenal treinou Clarinha para cuidar dele.
Viu Clarinha deitada no chão ao lado do sofá, novamente de quatro, nua, com marcas nas costas e nas nádegas, e um chicote na mão do senhor Jovenal…entregou ao médico…e contou. Peça um trem a Clarinya.
Enquanto ele está transando com ela, Clarinha esfrega a bucetinha embaixo dela, pega o chicote entre as pernas e bate na bucetinha com ele, sentindo o prazer da bucetinha, Clarinha demora muito estou gostando um pouco. Seu Jovenal pede para Clarinha acordar, pega seu pulso e chama o médico. Alberto, você deveria ir para o seu quarto. Compartilhe Clarinha. Ele pede para ela deitar na cama de casal e abrir as pernas, os caras estão nus…Dr. Alberto sobe na cama entre as pernas dela, abre a vagina com os dedos, cheira sua bucetinha e lambe seu mel. Ele sobe e lambe até os seios dela, chupando um e massageando o outro, Clarinya gemendo de prazer enquanto Jovenal o observa se masturbar.
Ele logo ouve os gritos do Dr. Clarinha. Alberto penetra sua vagina com seu pau grosso, ele não para, penetra profundamente, começa a empurrar com força, abre bem as pernas, para de gritar quando começa a sentir o prazer, seus olhos se arregalam, a buceta dela lateja. Galo, clitóris acende e ela esguicha. Clarinha geme e esguicha dentro dele enquanto ele desliza profundamente dentro dela, depois puxa para frente e para trás com força até que ele esguicha dentro dela…e quando ele sai, seu pau está molhado de porra. Eu acabo…
Seu Jovenal sobe e se posiciona entre as pernas dela antes de se inserir na buceta dela. Ele coloca as mãos no pescoço dela e empurra tudo através dela. A putinha engasga e abre a boca, engasgando e ainda gostando. Ele estendeu a mão e deu-lhe uma bofetada na cara, deu-lhe uma bofetada, deu-lhe outra bofetada com as costas da mão, e Clarinha gritou e gemeu e levou mais bofetadas, a sua rata ficou molhada de prazer. Logo ela não consegue mais se conter enquanto ele agarra seu pescoço com força e empurra com força em seu ventre, gozando em seu poste novamente. Ele se levanta, puxa-a para sentar e apresenta seu pau para ela para que ela possa lamber tudo. Dr. Enquanto Alberto observava, sentiu vontade de treinar sua filha como Jovenal havia feito com Clarinya. Ele concordou em levar sua filha Alice para treinar no dia seguinte. Então ele foi embora.

O que você achou desse conto erótico?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3 / 5. Número de votos: 9

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este conto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

free web tracker