Minha irmã e eu, uma noite sem luz.

Eu tenho 1,75, cabelo moreno, 16 cm de pau.

Minha irmã: loira, ela deve ter 1,65m, tem 23 anos, uma bunda grande com coxas gostosas, o peito é médio, já pensou em por silicone algumas vezes.

Era uma noite comum, até que começou a chover, então vieram os raios e logo faltou luz na cidade. Eu estava em minha cama, mexendo no celular, quando a porta se abre e vejo minha irmã, de calcinha e regatinha branca.

-Oi, mano, posso dormir contigo? Tenho pavor desses raios, e agora que faltou luz, eles iluminam o quarto inteiro.

Ela vinha em direção a cama enquanto falava.

-Claro, deita aqui...

Levantei a coberta pra que ela podesse deitar, ela virou a bunda pra mim, vestia uma calcinha cavada, então ela deitou, virada pra porta.

-Você pode me abraçar?

Meu pau já estava despertando por conta da visão que tive daquela bunda gostosa, mas o que eu ia falar pra ela? Eu a abracei por trás e fiquei na esperança que ela não percebesse... mas logo que eu encostei nela, meu pau ficou ainda mais duro. Como eu estava com um calção de jogador, daqueles finos e sem cueca, logo percebi meu pau encostar na bunda dela.

-Que isso, mano?

Perguntou ela, levando a mão e pegando no meu pau, ela apalpou e foi descendo até chegar no meu saco.

-Nossa, mano, teu pau é um tesão. Tira essa permuda pra mim sentir ele na minha mão, vai.

Eu mal podia acreditar no que ela falou, então eu tirei a bermuda e ela agarrou, começando a deslizar de cima a baixo. Eu estiquei meu braço, pegando o celular na comoda.

-Quer ver ele, mana? Eu ainda tenho bateria.

-Me mostra esse pau, maninho.

Eu liquei a lanterna, colocando o celular de volta na comoda, agora o quarto estava um pouco iluminado. Eu consegui ver a carinha de safada dela, a boquinha meio aberta, com meu pau na mão.

-Caralho, acho que é maior que o do Marcos.

Marcos é o namorado dela.

-Será que você consegue engolir ele inteiro?

-Tarado, querendo que a própria irmã chupe teu pau?

-Ah, maninha, eu queria mesmo é te comer agora.

-Safado, e como fica o Marcos?

-hahahah A, mana, tu sabe como ele fica hahahah

-hahahah Idiota. Tu quer comer minha bucetinha?

-A noite toda

-Mas pra isso vai ter que me chupar bem gostosinho, dai vou ver se tu pode me comer.

Ela falou enquanto se levantava e abaixava a calcinha, me dando visão daquela bunda linda e embaixo a bucetinha lisinha.

-Nossa, ela ta lisinha.

-Sorte, tua, raspei ela hoje. Agora vem, não quer comer essa bucetinha? Me chupa!

Ela deitou na cama e abriu as pernas, eu cai de boca, que bucetinha gostosa, e saber que era a putinha da minha irmã que tava me dando me excitava mais.
O tempo passava e a putinha gemia...

-Ahhh, maninho... tua língua é um tesão...

-Geme baixinho, mãe pode escutar...

O quarto da nossa mãe era ao lado do meu.

-Vou tentar, mas tu chupa tão bem.
Ela disse entre gemidos.

Chupei ela por um tempo, talvez uns 5 a 7 minutos.

-Não aguento mais só chupar...

-Então come, me come bem gostoso!

A putinha mal conseguia falar e o folego a cortava.
Subi por cima dela e meti, ela me olhava com uma carinha de safada insaciável,  já toda vermelhinha de tesão. Eu esfregava o pau na bucetinha dela, e ela gemia pedindo pra meter...

-Uuhh, meteeh... soca fundona maninha, vai...

Eu dei um beijo nela, ela retibuiu agarrando meu pescoço e pondo a perna por cima de mim. Então eu meti, ela não conseguiu aguentar e deu um gemido mais alto...

-Aaah, deliccciiiaaa...

Era um sonho estar fudendo aquela putinha ali, minha irmã gostosa, no meu quarto, em uma noite de chuva, com trovões, sem luz, e ao lado o quarto da nossa mãe... um puta tesão que não deu pra segurar muito. Gozei encima da barriga da minha irmã, a camiseta ficou toda lambuzada de porra.

-Porra, mano! Olha minha regata...

-Foi mal, não deu pra segurar, tu é muito gostosa.

-É, foi bom pra caralho, mano.

Ela foi trocar de regata e se limpar, mas depois voltou, e dormimos do jeito que ela queria no começo.

No outro dia nós saimos do quarto. Então nossa mãe perguntou se nós tinhamos dormido juntos alí.
Minha irmã respondeu:
-É, eu tava com medo dos raios e pedi pra dormir com ele.

-Ah, é que eu precisei ir no banheiro de madrugada e ouvi alguns raios.

O que você achou desse conto erótico?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4 / 5. Número de votos: 23

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este conto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

free web tracker